3 comentários sobre “718

  1. Você, sempre cos olhos no céu, e deixando esta terra a escuras.

    O qué do porqué será?

    E eu cá venho, cada manha na hora do pequeno almoço, sonhando con ver uma torradinha ou torradinha e meia, bem feitas, bem amanteigadas, cum galâo em copo de vidro con assa metálica, o que já nâo é fácil de ver.

    Enquanto você ponha a vista no Céu, meus olhos ficarão em alvo, e meu estómago vazío.

  2. Enquanto você continúe a pôr a vista no Céu, meus olhos ficarão em alvo, e meu estómago vazío.

    É o que quería dizer, e nâo o que disse.

    P.D.

    Lá vâo oito días, e a torradinha sem aparecer.

    Todas as desgraças venhem de mâos dadas.

  3. Sabes que ainda tomo o meu pequeno almoço num desses cafézinhos. O galão em copo de vidro com asa metálica e os jornais ao canto.

    Prometo (sem saber quando) que lhe vou tirar uma foto para te deixar aqui.

    E juro que que não ando com os olhos ao alto. Se andasse cairia bastantes mais vezes. E não caio tantas quantas devia.

Deixar uma resposta